Entenda Como Montar um Provedor de Internet Wireless

0
889

Poucas décadas depois da popularização mundial da internet já é impensável a nossa rotina sem ela. O uso é tão corriqueiro que nem todos se lembram de que todo esse fluxo de dados depende de uma infraestrutura para chegar ao usuário final. Com essa onipresença, muitas pessoas nem se dão conta que longe dos grandes centros urbanos ainda há uma carência enorme por qualidade de banda, e os Provedores de Internet Wireless vêm se tornando uma solução cada vez mais popular no interior do país.

Inicialmente criada para ambientes internos, as redes sem fio (wireless) foram adaptadas aos ambientes externos, como pequenas e médias cidades que não são atendidas por infraestrutura de banda larga ou ADSL. Nesse artigo vamos explicar como funciona e como é possível montar um pequeno provedor wireless para seu bairro ou cidade, ajudando você a oferecer um serviço de qualidade a sua comunidade.

1) Como funcionam os Serviços de Distribuição de Internet Wireless

Eles funcionam basicamente em duas pontas:

a) Ponto de Acesso (AP): Servidores ou pequenos computadores que recebem o link de internet e o repassam para os receptores através de antenas.

b) Cliente: Receptores wireless finais ou repetidores que fazem o sinal chegar aos usuários finais.

2) O que é necessário para funcionamento do Ponto de Acesso

a) Link de internet: O link de internet é o que permite a capilarização da rede mundial de computadores naquela área. O acesso a um link robusto de rede pode ser feito a partir de operadoras de telecomunicações por satélite, linhas privadas de dados ou SDH, permitindo assim velocidade e segurança na sua rede.

b) Servidor: A capacidade do servidor da sua rede irá depender muito da demanda que você quer atingir. Você pode começar usando um computador com processamento em 64 bits, ao menos dois HDs com boa capacidade de armazenamento de dados e boas placas de rede com alta velocidade. Dessa forma, você estará incialmente bem servido.

O seu servidor de rede deverá possuir um sistema operacional compatível a sua função como Linux ou Mikrotik RouterOS (baseado em Linux). Esses são dois dos sistemas operacionais destaque para servidores: enquanto o Linux é gratuito e possuí vários aplicativos funcionais para servidores, o Mikrotik é pago, mas permite que computadores menos potentes desempenhem a função de servidor, pois é mais leve, e por ser pago, o aplicativo tem suporte técnico exclusivo para usuários, o que as vezes faz bastante diferença.

c) Antenas e roteadores: Assim como os servidores, as antenas do seu AP devem ser pensadas para atender da melhor forma o seu público potencial. Você pode utilizar antenas de três tipos. Um deles é a A Ommi, que transmite informação em 360 graus e por isso só pode ser utilizada se você possuir apenas um AP, pois pode interferir na transmissão de outras antenas. Outra é a de Painel Setorial, que pode atingir raios de 90, 120 ou 180 graus, e permite que você utilize um conjunto delas para cobrir áreas específicas. E a última antesba é a Direcional, que transmite apenas em uma direção, mas pode possuir vários formatos diferentes como Disco, Grade ou Off-Set (mini parabólica).

Dentre as marcas de equipamento destaque para antenas e roteadores estão respectivamente Ubiquiti e Routerboard, pertencente a Mikrotik. Com antenas e sistemas Ubiquiti é possível cobrir áreas em torno de 25km com velocidade de 450 Mbps. Já com os roteadores Routerboard você consegue adquirir kis completos com o equipamento e ter quase tudo pronto para começar a trabalhar.

2) Equipamento do Cliente/Usuário

No caso do usuário final a quantidade de equipamentos é bem menor. Como o cliente precisa apenas receber o sinal do AP, ele pode simplesmente ter adaptadores ou modens wireless PCI ou USB para receber o sinal da internet na casa ou empresa. Ao receber o sinal em seu domicilio, ele pode manejar o sinal como for o seu interesse. Tanto Routerboard como Ubiquiti possuem adaptadores e switchs para usuários finais e que as empresas provedoras de internet podem disponibilizar aos seus clientes.

3) Detalhes a serem relevados durante o projeto

O projeto de um provedor wireless deve conter um estudo geográfico da localidade para que se possa conhecer os lugares altos e melhores para posicionar sua antena principal e suas repetidoras, se necessário for. Com esse estudo você pode entender quantos APs precisará, já que cada AP pode suportar até 35 usuários simultâneos, além disso, a rede pode começar a ficar lenta e o serviço pode decair de qualidade.

Restou alguma dúvida? Visite nosso site e veja mais informações!

SEM COMENTÁRIOS